fbpx

Prefeitura De Betim – Auditor Fiscal – Prova De Português Comentada

Equipe Flávia Rita

Você fez a prova para Auditor Fiscal de Tributos Municipais da Prefeitura de Betim e agora quer conferir o gabarito da disciplina de Língua Portuguesa? Então siga lendo! Comentamos item por item da prova, de forma que você possa entender o que errou, o porquê de ter errado e, mais importante, para que você não erre novamente! Vamos lá?

Se você estiver estudando para concursos com foco específico na banca, confira nosso curso específico de Correção de Provas para o Instituto AOCP! Separamos uma aula em que analisamos o perfil da Banca Instituto AOCP e ainda comentamos 10 questões! Se você ainda não conhece nossa metodologia, essa é sua chance!

Se você quiser, você pode ver a aula no nosso canal do YouTube clicando AQUI.


Concurso para a Prefeitura de Betim – Auditor Fiscal de Tributos Municipais – Prova Comentada

TEXTO 1

 O que galáxias distantes dizem sobre a evolução do Universo

Observar galáxias distantes nos ajuda a montar o quebra-cabeça do Universo: quanto mais longe enxergamos, mais ao passado voltamos

Seria legal se pudéssemos passar um filminho revelando a história das galáxias e ver também como era a Via Láctea no passado. Mas, como não podemos, temos que observar as galáxias distantes e tentar montar o quebra-cabeça de como esses astros fantásticos evoluem.

O telescópio espacial Hubble é peça-chave para desvendar essa história. Com ele, conseguimos captar a luz com mais nitidez, já que ela não sofre interferência da atmosfera, mas mesmo assim temos que deixá-lo aberto por muito tempo para obter a luz fraquinha das galáxias distantes.

Em 1995, o ex-diretor do Hubble, Bob Williams, fez a primeira imagem das profundezas do Universo exatamente assim. A equipe do Hubble escolheu uma região do céu sem nenhuma estrela brilhante por perto para garantir que não interferisse na imagem das galáxias de fundo. E deixou o Hubble aberto durante dez dias captando a luz da mesma região. Uma região do céu que parecia totalmente vazia mostrou uma imagem incrível cravejada de galáxias.

O Universo é como se fosse uma “máquina do tempo”: quanto mais longe enxergamos, mais ao passado voltamos. Se vemos uma galáxia a 1 bilhão de anos-luz de nós, significa que a sua luz levou 1 bilhão de anos atravessando o espaço para chegar até aqui. Ou seja, estamos vendo a galáxia como ela era há 1 bilhão de anos, no passado, e não como ela é agora.

Desde a imagem histórica feita pelo Hubble, já tivemos muitas outras das profundezas do Universo. E elas revelam que as galáxias mais longínquas parecem bem pequenas por causa da distância, como era de se esperar, mas descobrimos também que elas são realmente menores e não possuem formatos bem definidos. Isso significa que elas crescem e se transformam com o tempo.

A galáxia mais distante já observada é a GN-z11, que está a 13,4 bilhões de anos-luz de nós! Ou seja, estamos vendo como ela era quando o Universo tinha apenas 400 milhões de anos. Ela fica na constelação de Ursa Maior e parece um pontinho vermelho na imagem do Hubble.

Essas galáxias muito distantes estão se afastando aceleradamente de nós, por isso vemos sua luz sempre mais avermelhada do que deveria ser. Porém, nem os olhos humanos nem o Hubble conseguem captar o extremo da luz vermelha que precisamos obter para ver mais além.

Por isso, necessitamos de instrumentos como o telescópio James Webb. Ele captará luz infravermelha e enxergará ainda mais longe que o Hubble. Seu lançamento está previsto para 2021, segundo a Nasa, e estamos muito empolgadas com a enxurrada de novas peças para ajudar a solucionar nosso quebra-cabeça galáctico.

Fonte: Adaptado de: https://revistagalileu.globo.com/Ciencia/Espaco/noticia/2020/01/o- que-galaxias-distantes-dizem-sobre-evolucao-do-universo.html. Acesso em: 19 jan. 2020.

Questão #01. No trecho “Uma região do céu que parecia totalmente vazia mostrou uma imagem incrível cravejada de galáxias”, do Texto 1, utiliza-se a figura de linguagem

  • (A) comparação.
  • (B) metonímia.
  • (C) metáfora.
  • (D) sinestesia.
  • (E) sinédoque.
Questão 01. Comentário. O trecho transcrito no enunciado empregou a figura de linguagem conhecida como metáfora, a qual corresponde ao uso de uma palavra fora de seu sentido habitual – “cravejada de galáxias”. A figura baseia-se na relação de semelhança entre os sentidos objetivos e figurados de dois termos. Não se trata de uma comparação, contudo, pois inexiste qualquer conector comparativo. Não é um caso de metonímia, dado inexistir a transposição de significado entre os termos. A sinestesia ocorre no texto sempre que palavras específicas provocarem estímulos sensoriais específicos, o que não aconteceu no trecho. A sinédoque corresponde a um tipo de metonímia, de maneira que também não se enquadra no caso do enunciado. Resposta correta – Letra C: Portanto, correta a letra C, sendo o gabarito da questão.

Questão #02. A reescrita do trecho “Essas galáxias muito distantes estão se afastando aceleradamente de nós, por isso vemos sua luz sempre mais avermelhada do que deveria ser.”, do Texto 1, mantém o sentido original quando se substitui a expressão em destaque por

  • porque.
  • assim.
  • todavia.
  • consoante.
  • não obstante.
Questão 02. Comentário. A expressão em destaque corresponde a uma locução conjuntiva conclusiva, cujo valor se equipara a “assim”, “contudo”, “desse modo”, “por conseguinte” etc. Nesse sentido, a letra A está incorreta, dado ser “porque” uma conjunção explicativa. Resposta correta – Letra B: Correta a letra B ao trazer uma conjunção conclusiva com sentido equivalente a “por isso”. A letra C apresenta uma conjunção adversativa, de maneira que o sentido original seria alterado pela proposta. A letra D traz uma conjunção conformativa, cujo sentido não se enquadra no campo lógico-semântico das conjunções conclusivas. Finalmente, a letra E apresenta uma locução concessiva, equivalente a “embora” e “conquanto”, de forma que o sentido também não seria preservado.

Questão #03. Assinale a alternativa que apresenta corretamente a regra de formação de plural para o substantivo composto “quebra-cabeça”.

  • (A) Quando os termos componentes não se ligam por preposição, só o primeiro toma a forma plural.
  • (B) Quando o  segundo  termo  da  composição  é  um  substantivo  que  funciona  como  determinante específico, só o primeiro toma a forma plural.
  • (C) Quando o  primeiro  termo  da  composição  é  um  substantivo  que  funciona  como  determinante específico, só o segundo toma a forma plural.
  • (D) Quando a palavra composta é constituída de dois substantivos, ou de um substantivo e um adjetivo, ambos vão para o plural.
  • (E) Quando o primeiro termo do composto é verbo ou palavra invariável e o segundo substantivo ou adjetivo, só o segundo vai para o plural.
Questão 03. Comentário. A palavra “quebra-cabeça” é um substantivo formado por um verbo seguido de um outro substantivo, de modo que o plural será construído a partir da flexão unicamente do termo nominal. Assim, a forma correta será “quebra-cabeças”. Resposta correta – Letra E: Portanto, correta a letra E, sendo ela o gabarito da questão.

Questão #04. Assinale a alternativa que classifica corretamente a oração subordinada do trecho “[…] quanto mais longe enxergamos, mais ao passado voltamos”, subtítulo do Texto 1.

  • (A) Oração subordinada adverbial proporcional.
  • (B) Oração subordinada adverbial consecutiva.
  • (C) Oração subordinada substantiva objetiva
  • (D) Oração subordinada substantiva completiva nominal.
  • (E) Oração subordinada adjetiva restritiva.
Questão 04. Comentário. A estrutura “quanto mais… mais” ou “quanto menos… menos” são empregadas na construção de um sentido de proporcionalidade. Quando em quando na forma oracional, serão classificadas como oração subordinada adverbial proporcional. Resposta correta – Letra A: Portanto, correta a letra A, sendo ela o gabarito da questão.

Questão #05. No trecho “E elas revelam que as galáxias mais longínquas parecem bem pequenas por causa da distância […]”, do Texto 1, a palavra “longínquas” pode ser substituída, sem prejuízo para o sentido, por

  • (A) alhures.
  • (B) ábditas.
  • (C) algures.
  • (D) propínquas.
  • (E) contíguas.
Questão 05. “Longínquas” é um adjetivo que qualifica um nome como estando espacialmente distante, longe ou afastado. Assim, a letra A não apresenta proposta de substituição adequada, uma vez que “alhures” corresponde a um advérbio, cujo sentido é de “em outro lugar”. Comentário. Resposta correta – Letra B: Correta a letra B, uma vez que “ádbitas” é a forma feminina do substantivo “ábdito”, o qual qualifica o nome como algo “afastado”, “escondido”, “oculto”, “solitário”. Portanto, a assertiva é o gabarito da questão. A letra C não traz proposta adequada, já que o adverbio “algures” equivale a “em alguma parte”, “em algum lugar”. A letra D traz o substantivo feminino plural equivalente a “parentes chegados”. A letra E, por fim, não apresenta proposta adequada, uma vez que “contíguas” é o adjetivo empregado para qualificar aquilo que é vizinho, que está perto ou adjacente.

TEXTO 2

Fonte: Adaptado de: http://1.bp.blogspot.com/-oSNjvAa_uZE/TgIuBsIiMXI/AAAAAAAAAN0/R208RGfxPoQ/s1600/as%2Bcobras%2B11.jpg. Acesso em: 19 jan. 2020.

 

Questão #06. Assinale a alternativa correta.

  • (A) A ideia central do Texto 1 é a de que não sabemos exatamente como o universo é formado.
  • (B) O Texto 2 apresenta uma reflexão sobre a pequenez dos personagens diante do do universo.
  • (C) Os Textos 1 e 2 são isentos de posicionamento em relação às suas respectivas temáticas.
  • (D) Os Textos 1 e 2 apresentam pontos de vista destoantes sobre a compreensão do universo.
  • (E) O Texto 1 e o Texto 2 congregam o mesmo entendimento sobre a origem dos planetas no universo.
Questão 06. Comentário. Ambos os textos tratam de tema semelhante, porém com pontos de vista diferentes. Enquanto o texto 1 assume uma postura de curiosidade frente ao desconhecido, o texto 2 apresenta um posicionamento mais niilista e angustiante. Resposta correta – Letra D: Portanto, correta a letra D, sendo ela o gabarito da questão.

Questão #07. Em relação ao emprego do acento agudo, assinale a alternativa correta.

  • (A) “Fora” não recebe acento agudo, pois é uma palavra paroxítona terminada em “a”.
  • (B) “Bola” não recebe acento agudo, pois é uma palavra oxítona terminada em “a”.
  • (C) “Universo” não recebe acento agudo, pois é uma palavra proparoxítona terminada em “o”.
  • (D) “Espaço” deveria receber acento agudo, porque é uma palavra paroxítona terminada em “o”.
  • (E) “Fim” não recebe acento agudo, porque é uma palavra paroxítona terminada em “m”.
Questão 07. Comentário. Resposta correta – Letra A: Correta a letra A ao apresentar explicação precisa para a ausência de acento na palavra “fora”. Errada a letra B, uma vez que “bola” é uma paroxítona terminada em “a”. Errada a letra C, dado ser a palavra “universo” uma paroxítona. A letra D está errada, já que não se acentuam as paroxítonas terminadas em “o”. A letra E está errada ao considerar a palavra “fim” como uma paroxítona, dado se tratar de uma oxítona.

Questão #08. Informe se é verdadeiro (V) ou falso (F) o que se afirma a seguir e assinale a alternativa com a sequência correta.

( ) O “que” empregado no trecho “Atravessamos o espaço numa bola que não controlamos […]”, do Texto 2, é um pronome relativo.

( ) O “que” empregado no trecho “Atravessamos o espaço numa bola que não controlamos […]”, do Texto 2, é uma conjunção integrante.

( ) Quando exerce a função de demonstrativo, o “que” pode ser precedido por pronomes demonstrativos.

( ) Quando funciona como conjunção, o “que” pode exercer diferentes funções sintáticas.

  • (A) V – V – F – V
  • (B) V – F – V – F
  • (C) F – V – F – V
  • (D) V – V – F – F
  • (E) F – F – V – V
Questão 08. Comentário. O item I é verdadeiro, dado ser a palavra “que” classificada no trecho como um pronome relativo. O item II é falso, uma vez que a partícula “que” não pode ser classificada como conjunção integrante, dado retomar termo anterior (bola), exercendo a mesma função sintática dele. O item III é verdadeiro, pois é possível a precedência de pronomes demonstrativos. Por fim, o item IV é falso, pois o “que”, como conjunção integrante, apenas liga orações, sem apresentar qualquer carga semântica. Resposta correta – Letra B: Portanto, correta a letra B, sendo ela o gabarito da questão.

Questão #09. A partir da análise do trecho “Nossa condição não é tão angustiante assim…”, do Texto  2, analise as assertivas e assinale a alternativa que aponta a(s) correta(s).

I. Emprega-se um verbo de ligação.

II. O verbo empregado é irregular. 

III. O verbo está conjugado na terceira pessoa do singular e o tempo é o presente do indicativo.

  • (A) Apenas I.
  • (B) Apenas II.
  • (C) Apenas II e III.
  • (D) Apenas I e III.
  • (E) I, II e III.
Questão 09. Comentário. O item I é verdadeiro, pois a oração emprega o verbo de ligação “ser” – “[…] não é tão […]”. O item II é verdadeiro, já que o verbo ser é classificado como irregular em razão de sua conjugação. O item III também é verdadeiro, pois identifica corretamente a flexão tempo-numeral do verbo. Resposta correta – Letra E: Portanto, a letra E é o gabarito da questão, por considerar os três itens corretos.

Questão #10. O termo “num”, empregado algumas vezes no diálogo do Texto 2, é exemplo de qual tipo de variação linguística?

  • (A) Diastrática, relacionada à faixa etária.
  • (B) Diastrática, relacionada ao sexo masculino.
  • (C) Diafásica, relacionada às circunstâncias das interações verbais.
  • (D) Diatópica, relacionada   às     diferenças linguísticas distribuídas no espaço físico.
  • (E) Deôntica, relacionada  às  transformações fonológicas por que passou a língua.
Questão 10. Comentário. O termo “num” é um exemplo de uma variação diafásica, em que a contração decorre das próprias interações verbais. Resposta correta – Letra C: Portanto, correta a letra C, sendo o gabarito da questão.

Tirou todas as dúvidas da prova? Acertou todas as questões? Deixe duas opiniões na seções de comentários!

Deixe seu Comentário

Comentários

CONTINUE LENDO