fbpx

Para gabaritar o Instituto AOCP! Perfil da Banca!

Equipe Flávia Rita

Para gabaritar o Instituto AOCP! Perfil da Banca!

Quer dizer que você pretende fazer o concurso organizado pelo Instituto AOCP? Está de olho na Policia Civil de Goiás, mas ainda não sabe como estudar português? Você quer direcionar seus estudos para as principais matérias de Língua Portuguesa cobradas pela banca, porém, ainda não tem experiência para identificar quais conteúdos são mais relevantes? Então esse texto é para você! Aqui, você irá entender quais são as matérias favoritas da banca e como elas são normalmente cobradas!

O INSTITUTO ASSOCIAÇÃO EM ORGANIZAÇÃO DE CONCURSOS PÚBLICOS – AOCP

HISTÓRICO DA BANCA

Primeiramente, o Instituto AOCP – Associação em Organização de Concursos Públicos – não se confunde com a organizadora homônima AOCP, uma vez que possui quadro de avaliadores próprio e maior experiência na organização de concursos públicos federais.

Em termos de perfil de cobrança, ela se assemelha a organizadoras como a Cesgranrio, a FCC e o Instituto Quadrix, sobretudo nas questões de múltipla escolha, as quais costumam ser compostas por quatro alternativas.

Entretanto, quando o Instituto opta por um formato de “certo ou errado”, ele acaba se aproximando mais do formato de provas Cespe/Cebraspe.

CARACTERÍSTICAS DA PROVA DE PORTUGUÊS DO INSTITUTO AOCP

Nas provas aplicadas pelo Instituto AOCP, as questões de português costumam privilegiar os conteúdos de gramática normativa, responsável, normalmente, por 70% das questões.

As demais questões – 30% da prova – irão abordar a parte de interpretação de texto, sendo comum haver mais de um texto na prova.

CONTEÚDOS DE PORTUGUÊS MAIS RELEVANTES PARA O INSTITUTO AOCP

É importante entender que as questões versaram, basicamente, sobre interpretação de texto e sobre gramática normativa. Com isso em mente, tenha atenção, nas questões de interpretação de texto, às seguintes conteúdos, pois costumam ser mais recorrentes:

  • Tipologia textual,
  • tipos de linguagem,
  • coesão,
  • figuras de linguagem,
  • vocabulário.

Já nas questões de gramática, as seguintes matérias têm o hábito de aparecerem de forma mais frequente:

  • tipos de que,
  • tipos de se,
  • análise sintática,
  • classificação das orações,
  • conectores, pontuação,
  • noções gerais de classe,
  • pronome (colocação pronominal).

 

ELO INSTITUTO AOCP

(Instituto AOCP. UFPE. Assistente de Administração. 2019)

TEXTO 1

O vento gemera durante o dia todo e a chuva fustigara as janelas com tal fúria que mesmo ali, no coração da grande Londres feita de homens, éramos obrigados a afastar a mente da rotina da vida por um instante e reconhecer a presença daquelas grandes forças elementares que gritam para a humanidade através das grades de sua civilização, como animais indomáveis numa jaula. À medida que a noite se fechava, a tempestade ficava mais intensa e mais ruidosa; na chaminé, o vento chorava e soluçava como uma criança.

Adaptado de: Doyle, A. C. Um caso de Sherlock Holmes: as cinco sementes de laranja. Tradução de Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2011. p. 142.

No trecho “[…] o vento chorava e soluçava como uma criança.”, observa-se a presença de duas figuras de linguagem. São elas, respectivamente:

A) prosopopeia e comparação.

B) comparação e sinestesia.

C) sinestesia e metáfora.

D) metáfora e hipérbole.

E) hipérbole e prosopopeia.

Gabarito: letra A

Comentário: A questão exige conhecimento das diferentes figuras de linguagem que marcam textos narrativos. No trecho “o vento chorava e soluçava”, observa-se que são atribuídos comportamentos humanos ao fenômeno da natureza, o que caracteriza um caso de personificação ou prosopopeia. Já no segmento “como uma criança”, há a presença do recurso de comparação ou símile.

(Instituto AOCP. UFPB. Assistente de administração. 2019) Considerando o texto, analise as seguintes afirmações e assinale a alternativa correta.

I. Em “À medida que a noite se fechava, a tempestade ficava mais intensa e mais ruidosa […]”, o uso da vírgula é facultativo.

PORQUE

I. pode-se substituir a vírgula pelo ponto e vírgula no trecho “À medida que a noite se fechava, a tempestade ficava mais intensa e mais ruidosa […]”, a fim de marcar uma pausa longa entre as orações intercaladas.

A) As afirmações I e II são proposições verdadeiras, e a II é uma justificativa da I.

B) As afirmações I e II são proposições verdadeiras, mas a II não é uma justificativa da I.

C) A afirmação I é uma proposição verdadeira, e a II é uma proposição falsa.

D) A afirmação I é uma proposição falsa, e a II é uma proposição verdadeira.

E) As afirmações I e II são proposições falsas.

Gabarito: Letra E.

Comentário: O item I apresenta afirmativa falsa, pois o uso da vírgula é obrigatório, uma vez que separa orações subordinadas adverbiais proporcionais. O item II também é incorreta, dado ser contrário à norma-culta o uso de ponto e vírgula para separar orações subordinadas.

(Instituto AOCP. UFPE. Administrador. 2019)

Mundo de mentira

Paulo Pestana

Tem muita gente que implica com mentira, esquecendo-se de que as melhores histórias do mundo nascem delas: algumas cabeludas, outras mais inocentes, sempre invenções da mente, fruto da criatividade — ou do aperto, dependendo da situação.

Ademais, se fosse tão ruim estaria na lista das pedras que Moisés recebeu aos pés do monte Sinai, entre as 10 coisas mais feias da humanidade, todas proibidas e que levam ao inferno; ficou de fora.

A mentira não está nem entre os pecados capitais, que aliás eram ofensas bem antes de Cristo nascer, formando um rol de virtudes avessas, para controlar os instintos básicos da patuleia. Eram leis. E é preciso lembrar também que ninguém colocou a mentira entre os pecados veniais; talvez, seja por isso que o mundo minta tanto, hoje em dia.

E tudo nasceu na forma mais poética possível, com os mitos — e não vamos falar de presidentes aqui — às lendas, narrativas fantásticas que serviam para educar ou entreter. Entre tantas notícias falsas, há muitas lendas que, inclusive, explicam por que fazemos tanta festa para o ano que começa.

Os japoneses, por exemplo, contam que um velhinho, na véspera do ano-novo, não conseguiu vender os chapéus que fabricava e colocou-os na cabeça de seis estátuas de pedra; chegou em casa coberto de neve e sem um tostão. No dia seguinte, recebeu comida farta e dinheiro das próprias estátuas, para mostrar que a bondade é sempre reconhecida e recompensada.

Os brasileiros vestem roupas brancas na passagem do ano, mas poucos sabem que esta é uma tradição recente, de pouco mais de 50 anos, e que veio do candomblé, mais precisamente da cultura yorubá, com os irúnmolés’s funfun — as divindades do branco. E atenção: para eles, o regente de 2019 é Ogum, o guerreiro, orixá associado às forças armadas, ao mesmo tempo impiedoso, impaciente e amável. Ogunhê!

Mas na minha profunda ignorância eu não conhecia a lenda da Noite de São Silvestre, que marca a passagem do ano. E assim foi-me contada pelo Doutor João, culto advogado, entre suaves goles de vinho — um Quinta do Crasto Douro (sorry, periferia, diria o Ibrahim Sued).

Disse-me ele: ao ver a Virgem Maria desolada contemplando o Oceano Atlântico, São Silvestre se aproximou para consolá-la, quando ela disse que estava com saudades da Atlântida, o reino submerso por Deus, em resposta aos desafios e à soberba de seu soberano e dos pecados de seu povo.

As lágrimas da Virgem Maria — transformadas em pérolas — caíram no oceano; e uma delas deu origem à Ilha da Madeira — chamada Pérola do Atlântico, na modesta visão dos locais — ao mesmo tempo em que surgiram misteriosas luzes no céu, que se repetiriam por anos a fio; e é por isso que festejamos a chegada do ano-novo com fogos de artifício.

Aliás, agora inventaram fogo de artifício sem barulho para não incomodar os cachorros. A próxima jogada politicamente correta será lançar fogos sem luz para não perturbar as corujas buraqueiras. E isso está longe de ser lenda: é só um mundo mais chato.

Disponível em: <http://df.divirtasemais.com.br/app/noticia/mais-lei-tor/2018/12/28/noticia-mais-leitor,160970/cronica-de-paulo-pestana>. Acesso em: 18 fev. 2019.

O texto apresentado é considerado uma crônica devido a diversos fatores, EXCETO por

A) apresentar vocabulário variado e expressivo de acordo com a intenção do autor.

B) abordar aspectos da vida social e quotidiana.

C) não utilizar a 1ª pessoa do discurso em todo o texto.

D) apresentar marcas de subjetividade – discursos na 1ª e na 3ª pessoa.

E) apresentar intertextualidades.

Gabarito: C.

Comentário: A crônica é uma espécie textual marcada pelo predomínio da linguagem narrativa, muitas vezes na primeira pessoa do singular, com o emprego de vocabulário diverso, tanto com palavras em sentido denotativo quanto conotativo. É comum haver traços de intertextualidade, em que diversos estilos literários se cruzam para a criação do estilo desejado. Como o próprio nome indica, o tema das crônicas costuma focar em aspectos da vida cotidiana, vivenciados direta ou indiretamente pelo autor. Portanto, a única alternativa que não apresenta uma característica dessa espécie textual é a letra C, gabarito da questão.

(Instituto AOCP. PC-ES. Perito Oficial Criminal. 2019)

Disponível em: <http://www.jopbj.blogspot.com/2016/01/calvin-e-manipulacao-da-midia.html>. Acesso em: 10/fev./2019

Assinale a alternativa que analisa corretamente o valor semântico das expressões em destaque, nos excertos que seguem.

A) “[…] obrigado por elevar a emoção[…]” – consequência.

B) “[…] obrigado por […] reduzir o pensamento[…]” – lugar.

C) “Obrigado pela artificialidade das soluções rápidas […]” – condição.

D) “[…] manipulação traiçoeira dos desejos humanos para fins comerciais– finalidade.

E) Mantenha sua luz oscilante para sempre.” – lugar.

Gabarito: Letra D

Comentário: Algumas orações subordinadas adverbiais apresentam carga semântica fixa, determinada pela preposição que as acompanham. Nesse caso, observa-se que a forma “por + infinitivo” exprime causa ou explicação, o que não condiz com a indicação das letras A e B, que apontam o sentido de consequência e lugar. Já a alternativa C afirma se tratar de caso condicional, entretanto, esse é estabelecido pela forma “a + infinitivo”. A letra D apresenta locução final, corretamente indicada na sequência, motivo que torna a assertiva o gabarito da questão. A letra E, por fim, identifica a expressão destacada com semântica locativa, mas, na verdade, trata-se de um sentido temporal.

(Instituto AOCP. PC-ES. Investigador. 2019)

Dicas de Segurança: Em casa

  • Em sua residência, ao atender um chamado, certifique-se de quem se trata, antes mesmo de atendê-lo. Em caso de suspeita, chame a Polícia.
  • À noite, ao chegar em casa, observe se há pessoas suspeitas próximas à residência. Caso haja suspeita, não estacione; ligue para a polícia e aguarde a sua chegada.
  • Não mantenha muito dinheiro em casa e nem armas e joias de muito valor.
  • Quando for tirar cópias de suas chaves, escolha chaveiros que trabalhem longe de sua casa. Dê preferência a profissionais estabelecidos e que tenham seus telefones no catálogo telefônico.
  • Evite deixar seus filhos em casa de colegas e amigos sem a presença de um adulto responsável.
  • Cuidado com pessoas estranhas que podem usar crianças e empregadas para obter informações sobre sua rotina diária.
  • Cheque sempre as referências de empregados domésticos (saiba o endereço de sua residência).
  • Utilize trancas e fechaduras de qualidade para evitar acesso inoportuno. O uso de fechaduras auxiliares dificulta o trabalho dos ladrões.
  • Não deixe luzes acesas durante o dia. Isso significa que não há ninguém em casa.
  • Quando possível, deixe alguma pessoa de sua confiança vigiando sua casa. Utilize, se necessário, seu vizinho, solicitando-lhe que recolha suas correspondências e receba seus jornais quando inevitável.
  • Ao viajar, suspenda a entrega de jornais e revistas.
  • Não coloque cadeados do lado de fora do portão. Isso costuma ser um sinal de que o morador está viajando.
  • Cheque a identidade de entregadores, técnicos de telefone ou de aparelhos elétricos.
  • Insista com seus filhos: eles devem informar sempre onde estarão, se vão se atrasar ou se forem para a casa de algum amigo. É muito importante dispor de todos os telefones onde é possível localizá-los.
  • Verifique se as portas e janelas estão devidamente trancadas e jamais avise a estranhos que você não vai estar em casa.

Adaptado de https:<//sesp.es.gov.br/em-casa>. Acesso em: 30/jan./2019.

O texto de apoio, por caracterizar-se como uma lista de instruções ao público alvo, apresenta, predominantemente, o discurso

A) argumentativo

B) narrativo

C) relatado

D) injuntivo

E) preditivo

Gabarito: letra D.

Comentário: O texto apresenta discurso predominantemente injuntivo, uma vez que traz uma série de prescrições a serem seguidas pelos leitores. Não pode ser considerado argumentativo, pois não há a defesa de teses nem a presença de estratégias de convencimento. Não é também um texto narrativo, já que a estrutura não apresenta uma história vivida por personagens dentro de uma linha temporal. Igualmente, não pode ser considerado um relato, já que não há narração de nenhum fato ocorrido. Por fim, como não há predição de um evento futuro, como, por exemplo, informativos meteorológicos, não pode ser classificado como um texto preditivo. Assim, observa-se que a única opção correta é a letra D.

(Instituto AOCP. IBGE. Analista Censitário. 2019) – ADAPTADA. Em “Se você quiser variar a percepção que tem sobre você, precisa alterar seu diálogo interior.”, a relação de sentido que se estabelece é de

A) condição.

B) tempo

C) conclusão.

D) concessão.

E) contraste

Gabarito: Letra A

Comentário: Observa-se que há uma oração subordinada adverbial condicional anteposta à principal. A relação de sentido é estabelecida pelo emprego da conjunção condicional “se”. Desse modo, a única alternativa adequada é a letra A.

(Instituto AOCP. IBGE. Analista Censitário. 2019) – ADAPTADA. Qual é a relação de sentido estabelecida no excerto “Não posso falar, é melhor me escrever”?

A) Contraste

B) Causalidade

C) Adição

D) Conformidade

E) Finalidade

Gabarito: Letra B.

Comentário: A relação de sentido estabelecida entre as duas orações é de causalidade, pois a primeira explica o motivo (a causa) para a segunda – se não se pode falar, então deve escrever. Logo, a única alternativa que apresenta resposta possível é a letra B.

(Instituto AOCP. PC-ES. Auxiliar Perícia Médico-Legal. 2019) – ADAPTADA. Em “Nós não sabemos o que faz […]” e em “[…] para convencermos a nós mesmos […]”, o pronome “nós” funciona, respectivamente, como

A) sujeito e objeto direto.

B) sujeito e objeto indireto.

C) sujeito e objeto direto preposicionado.

D) sujeito e sujeito.

E) sujeito e sujeito preposicionado.

Gabarito: Letra C.

Comentário: O primeiro “Nós” exerce a função sintática de sujeito da oração “não sabemos o que faz”. Já o segundo atua como objeto direto do verbo transitivo direto “convencer” – quem convence, convence alguém. Não há, como se nota, complemento preposicionado, de maneira que a preposição do trecho acompanha, na verdade, o objeto direto. Portanto, somente a letra C apresenta alternativa adequada à questão.

(Instituto AOCP. TRT 1ª Região. Técnico Judiciário. 2018)

Texto I

Nossa imaginação precisa da literatura mais do que nunca

LIGIA G. DINIZ – 22 FEV 2018 – 18:44

       Vamos partir de uma situação que grande parte de nós já vivenciou. Estamos saindo do cinema, depois de termos visto uma adaptação de um livro do qual gostamos muito. Na verdade, até que gostamos do filme também: o sentido foi mantido, a escolha do elenco foi adequada, e a trilha sonora reforçou a camada afetiva da narrativa. Por que então sentimos que algo está fora do lugar? […]

O que sempre falta em um filme sou eu. Parto dessa ideia simples e poderosa, sugerida pelo teórico Wolfgang Iser em um de seus livros, para afirmar que nunca precisamos tanto ler ficção e poesia quanto hoje, porque nunca precisamos tanto de faíscas que ponham em movimento o mecanismo livre da nossa imaginação. Nenhuma forma de arte ou objeto cultural guarda a potência escondida por aquele monte de palavras impressas na página.

Essa potência vem, entre outros aspectos, do tanto que a literatura exige de nós, leitores. Não falo do esforço de compreender um texto, nem da atenção que as histórias e poemas exigem de nós – embora sejam incontornáveis também. Penso no tanto que precisamos investir de nós, como sujeitos afetivos e como corpos sensíveis, para que as palavras se tornem um mundo no qual penetramos. […]

Somos bombardeados todo dia, o dia inteiro, por informações. Estamos saturados de dados e de interpretações. A literatura – para além do prazer intelectual, inegável – oferece algo diferente. Trata-se de uma energia que o teórico Hans Ulrich Gumbrecht chama de “presença” e que remete a um contato com o mundo que afeta o corpo do indivíduo para além e para aquém do pensamento racional.

Muitos eventos produzem presença, é claro: jogos e exercícios esportivos, shows de música, encontros com amigos, cerimônias religiosas e relações amorosas e sexuais são exemplos óbvios. Por que, então, defender uma prática eminentemente intelectual, como a experiência literária, com o objetivo de “produzir presença”, isto é, de despertar sensações corpóreas e afetos? A resposta está, como já evoquei mais acima, na potência guardada pela ficção e a poesia para disparar a imaginação. […]

A leitura de textos literários […] exige que nosso corpo esteja ele próprio presente no espaço ficcional com que nos deparamos, sob pena de não existir espaço ficcional algum.

Mais ainda, a experiência literária nos dá a chance de vivenciarmos possibilidades que, no cotidiano, estão fechadas a nós: de explorarmos essas possibilidades como se estivéssemos, de fato, presentes. E a imaginação é o palco em que a vivência dessas possibilidades é encenada, por meio do jogo entre identificações e rejeições. […]

(Adaptado de:<https://brasil.elpais.com/brasil/2018/02/22/opinion/1519332813_987510.html> . Acesso em: 27 mar. 2018)

Sobre o uso dos mecanismos de coesão textual e as relações sintático-semânticas estabelecidas no Texto I, assinale a alternativa correta.

A) Em “Essa potência vem, entre outros aspectos, do tanto que a literatura exige de nós, leitores.”, que consta no terceiro parágrafo, o termo em destaque poderia ser substituído por “esta”, sem prejuízo sintático ou semântico.

B) Em “Não falo do esforço de compreender um texto, nem da atenção que as histórias e poemas exigem de nós […]. Penso no tanto que precisamos investir de nós […]”, o segundo período estabelece com o primeiro uma relação de contraste.

C) Em “A leitura de textos literários […] exige que nosso corpo esteja ele próprio presente no espaço ficcional com que nos deparamos, sob pena de não existir espaço ficcional algum.”, a expressão em destaque introduz um segmento que estabelece relação de condição com a porção de texto anterior, podendo ser substituída por “sob piedade de”.

D) Considere o excerto: “Muitos eventos produzem presença, é claro.”. Tal período pode ser reescrito, pelo menos, de duas maneiras: “É claro que muitos eventos produzem presença.” e “Muito eventos produzem presença, isso é claro.”. É possível afirmar que ambas as reescritas apresentam o mesmo significado e a mesma estrutura sintática.

E) Em “E a imaginação é o palco em que a vivência dessas possibilidades é encenada, por meio do jogo entre identificações e rejeições.”, o trecho em destaque indica a causa de a imaginação ser considerada um palco, sendo, portanto, um adjunto adverbial de causa.

Gabarito: Letra B

Comentário: A letra A está errada, pois a mudança proposta acarretaria alteração de sentido, uma vez que o pronome demonstrativo “Essa” desempenha função anafórica ou de retomada, ao passo que a forma “Esta” exprime noção catafórica. A letra B está correta, por trazer interpretação adequada das relações de sentido do trecho. A letra C está errada, pois a expressão “sob piedade de” não exprime o mesmo sentido de “sob pena de”. A letra D erra ao considerar inalteradas as estruturas sintáticas, já que a reestruturação modifica a função de alguns termos na frase. A letra E incorre em erro, uma vez que o trecho sublinhado corresponde a um adjunto adverbial de meio.


O que achou do texto? Ficaram claros quais os conteúdos favoritos da banca? Conseguiu treinar com as questões que selecionamos? Teve alguma dúvida em especial? Não esqueça de deixar sua opinião nos comentários! Tem algum assunto que você tem dificuldade e gostaria de ler por aqui? Não deixe de nos avisar que tentaremos fazer um texto exclusivo! 🙂

Deixe seu Comentário

Comentários

CONTINUE LENDO