/TRAÇANDO AS METAS: TRAÇANDO MEU FUTURO


TRAÇANDO AS METAS: TRAÇANDO MEU FUTURO

83

por: Equipe Flávia Rita

TRAÇANDO AS METAS: TRAÇANDO MEU FUTURO

 Segundo o consultor Arthur Diniz, “sonhabilidade” é a capacidade que um indivíduo desenvolve de realizar seus sonhos.

Para realizarmos nossos sonhos, devemos antes refletir sobre algumas questões:

  • Qual a sua missão de vida?

 

  • Qual a sua visão de mundo e de si mesmo?

 

  • Quais são os seus valores?

 

  • Quais são seus sonhos e como você pode alcançá-los?

 

  • Seus sonhos são realizáveis?

 

  • De quais habilidades ou competências você necessita para realizar seus sonhos?

 

  • Como você pretende desenvolver essas habilidades?

 

  • Quanto tempo você pretende investir nas habilidades de que você precisa?

Para nenhuma destas perguntas, há respostas certas ou erradas, do mesmo jeito que não existem formações ou carreiras melhores ou piores. É responsabilidade de cada um encontrar seu caminho, pois ele é só seu. Sem regras nem preconceitos. Só seu.

É exatamente por isso que é essencial saber precisamente aonde você quer chegar, onde você deve ou não concentrar seus esforços. Quem sou eu, do que preciso para ser feliz, do que eu gosto, como me sinto diante de minhas escolhas são questões elementares, mas cruciais para que seu sonho se torne realizável. Desse modo, você conseguirá diminuir a energia e a atenção dispensada tentando agarrar qualquer oportunidade que aparece à sua frente e vai se concentrar no seu caminho. Você passa a identificar com mais facilidade as distrações que o afastam de seu rumo principal bem como atitudes, pessoas e sentimentos que o aproximam dele. À medida que você adquire o hábito de definir metas e as vai cumprindo, sua autoconfiança cresce e você se sente capaz de realizar planos cada vez mais ousados. Se apropriadamente definidas, as metas são extremamente motivadoras. Mas, não se iluda pensando que você irá atingir todas as suas metas e objetivos no decorrer da sua vida. Existem centenas de variáveis do destino que, muitas vezes, irão auxiliá-lo e outras tantas que vão atrapalhá-lo em sua jornada. Além disso, os sonhos são dinâmicos, mudam, crescem, morrem e cabe somente a você administrar essas variáveis.

As pessoas mais frustradas não são aquelas que não conseguiram realizar seus sonhos ao longo da vida, mas aquelas que sentiram que não se dedicaram o suficiente para concretizá-los! A sensação de que poderia ter sido diferente é muito mais dolorosa que a sensação de fracasso em si. Quando empregamos a energia necessária em um projeto e falhamos, há uma sensação de dever cumprido que substitui o sonho em si. Mas, por outro, ao nos afastarmos das nossas buscas, o sentimento é de frustração, de covardia. Curiosamente, segundo Augusto Cury, há inúmeros trabalhos apontando que a busca efetiva pela realização de um sonho traz mais satisfação pessoal que propriamente realizar esse sonho. É muito comum que com o passar dos anos, seja na vida pessoal, na vida profissional ou na vida familiar, que a quantidade de sonhos vá diminuindo. Sonhar, desejar, fazer planos e lutar para vê-los realizados é algo como os músculos do corpo: é preciso exercitá-los, colocá-los em movimento. Do contrário, eles vão, aos poucos, se atrofiando e ficando cada vez mais flácidos.

Todo sonho é uma árvore frutífera!

A metáfora é bastante antiga, mas ilustra de modo real o que precisa ser dito sobre um sonho. Um sonho se assemelha a uma árvore frutífera: necessita de muita atenção, água, terra, adubo, sol, sombra e, principalmente, de tempo para florir e frutificar. Pode haver pragas inesperadas no caminho, pode demorar mais que o previsto e, como cada árvore frutífera, os sonhos têm necessidades diferentes.

Temos que ter a cautela de não estabelecermos para nós metas ou sonhos de outras pessoas. Rótulos sociais nos impõem características e vontades que, muitas vezes, não são nossas. Por pressão social ou pessoal, julgamos que temos que ser o novo Bill Gates, Thomas Edison, Walt Disney ou o Sílvio Santos. Cada pessoa tem a sua própria história, seus próprios sonhos, ninguém repete a história de outro indivíduo. Você tem de ter – e conhecer – seus próprios objetivos. Nem todo mundo se realiza da mesma forma. Outro ponto a ser observado é que quem não luta pelos seus sonhos acaba virando coadjuvante dos sonhos dos outros. Cuidado para não confundir seus sonhos com modelos de realização social, com os sonhos dos seus pais, com os sonhos dos seus filhos, com os sonhos de pessoas próximas.

Independentemente de qual seja seu sonho, você vai precisar de três ingredientes fundamentais: algum recurso financeiro, tempo e, principalmente, controle emocional.

Realizar sonhos exige muita disciplina, planejamento, fé, perseverança e muita força de vontade. A maioria das pessoas acha que quem realizou os sonhos da vida teve sorte, encontrou padrinhos ou fadas pelo caminho. Isso não existe, sonhos demandam esforço e dedicação.

 

 

 

 

 

Feita a sua lista de sonhos e estipulado o grau de prioridade para cada um deles, você deve dividi-los em metas de curto, médio e longo prazo. Assim, você poderá se organizar melhor e definir sua estratégia para colocar tudo em prática.

E como funciona?

  • Metas de curto prazo – são aquelas que você pretende realizar em menos de um ano.

Exemplos: reserva de emergência, uma pequena reforma da casa, uma festa de aniversário em buffet, fazer uma viagem, fazer uma tatuagem, trocar de carro, emagrecer 5 quilos, comprar uma televisão de 50’, comprar uma bicicleta ergométrica, ler livros de Machado de Assis etc.

 

  • Metas de médio prazo – são os objetivos que você espera concretizar dentro de um prazo variável, em geral, inferior a cinco anos.

Exemplos: comprar um carro, passar em um concurso público, mudar de casa, ter filhos, mudar de emprego, concluir uma graduação, fazer uma pós-graduação, fazer um curso de artes cênicas, aprender a tocar um instrumento de forma qualificada, passar no vestibular, sair da casa dos pais, escrever um livro, abrir uma empresa, fazer uma viagem ao exterior, emagrecer 20 quilos, ler todas as obras publicadas de Machado de Assis etc.

 

  • Metas de longo prazo – são aquelas que você imagina realizar em, no mínimo, cinco anos.

Exemplos: ocupar um cargo de gerência em uma grande empresa, dar entrada em um apartamento, adquirir um imóvel para lazer, pagar a faculdade do filho, juntar recursos para a aposentadoria, tornar-se uma referência em sua área, ter uma biblioteca com mais de mil títulos etc.

 

Metas e prazos definidos!
A principal vantagem de você especificar suas metas e estabelecer prazos para realizá-las é que você consegue, assim, manter seu foco e observar sempre seus resultados. Procure ser bastante claro e detalhista na hora de definir seus objetivos para, assim, traçar uma estratégia eficiente de realização, aponte todos os custos, pessoas envolvidas, prazo e condições necessárias. Agora, resta saber por onde começar!

 

Comece pelos objetivos de longo prazo, sempre. Eles serão o seu norte. Escreva neste espaço como gostaria de ver sua vida quando estiver no final dela. Mesmo que você já tenha mais idade, pense lá na frente – sempre há muito a ser realizado.

Elaborar essa lista pode parecer difícil, mas, na prática, você vai ver que é bastante natural. Todos nós já sabemos o que queremos ser e ter. No entanto, de acordo com as circunstâncias, nossa lista pode mudar. Não há nada de errado nisso, desde que a mudança parta de nós, das nossas vontades, do nosso coração.

E por que ter objetivos?

A maioria das pessoas, sob o pretexto da surpresa, desconsidera a possibilidade de planejar a própria vida. Claro que nem tudo ocorrerá dentro do planejado, mas não é razoável passar a vida sem saber por onde ir, aonde ir ou com quem ir. Pior ainda é viver uma vida e ter a sensação de não ter feito nada ou de ter feito tudo ao contrário do que se gostaria. Porém, há muitas pessoas que veem a própria vida como reflexo de escolhas conscientes. E é para essas pessoas que eu falo e escrevo. Se você tem sempre a sensação de que sua vida está passando e que você não a está aproveitando como deveria, acho que vale a pena fazer esse pequeno esforço pessoal para se planejar. E mais uma vez: seu planejamento não está escrito em pedra, portanto pode ser alterado. Adoro a metáfora do GPS, pois há vários caminhos sempre. Às vezes, é necessário refazer a rota. Pode haver engarrafamentos… Mas, se você persistir, chegará ao destino final mesmo que, talvez, um pouco atrasado.

Ter objetivos fará com que você leve uma vida de forma coerente e tranquila. Você que está me lendo hoje porque, lá no fundo, quer ter uma atitude diferente. Você quer realizar tarefas que possam conduzi-lo a objetivos de médio e longo prazo, porque sua vida ganhará mais significado, mais propósito. Você não quer ficar com aquela sensação de que está perdendo tempo ou com dúvidas sobre estar (ou não) no caminho errado. Você, assim como eu, quer ir em busca de seus sonhos!

Como eu faço

Eu também não sabia por onde começar, mas tinha certeza de onde queria estar em cada fase da minha vida. Começar é sempre mais difícil. O ideal é começar do mais longe para o mais próximo. Na maioria das vezes, os objetivos de curto prazo são menos relevantes para a nossa realização pessoal, por isso podem ser, inclusive, descartados. Verifique se os objetivos de médio prazo estão compatíveis com os de longo prazo. Por fim, crie uma lista finita de objetivos. Temos muitos sonhos, claro, por isso, não é viável trabalhar com todos eles de uma só vez. Minha sugestão pessoal é traçar cinco objetivos de curto prazo, três de médio prazo e dois de longo prazo. À medida que eles forem se concretizando, substitua-os por outros objetivos que ficaram, na sua escala de relevância, em segundo plano.

 

Deixe seu Comentário

Comentários