/SOBRE FINANÇAS


SOBRE FINANÇAS

100

por: Equipe Flávia Rita

SOBRE FINANÇAS

 

Quer organizar melhor suas finanças e não sabe por onde começar? Você pode pensar no planejamento financeiro como um novo projeto, uma iniciativa que vai lhe proporcionar muitos benefícios, tranquilidade e, principalmente, a realização de muitos sonhos.

 

O primeiro passo para equilibrar as contas é ter noção de quanto custa o seu sonho e – claro – o que não faz parte dele! Não veja a tarefa de cuidar de suas finanças como algo restritivo. Basta ajustar hábitos, rever prioridades e olhar para seu dinheiro com um pouco mais de cautela. Você pode ter um pouco de trabalho logo no início, mas vai pegar o ritmo. Inspire-se!

 

Controlar suas finanças deve ser um hábito. Um planejamento financeiro bem dosado não tem o objetivo de restringir seus sonhos de consumo imediato, mas de lembrá-lo de outros sonhos que, talvez, sejam mais importantes para você. Assim, entramos no campo das trocas justas e, por isso, sustentáveis. A ideia é convidá-lo a planejar melhor a realização da cada um de seus objetivos de vida, gastando o seu dinheiro de maneira mais inteligente e equilibrada. Você se surpreenderá com os resultados!

A elaboração de um orçamento facilita o seu planejamento o que, por sua vez, permite que você alcance os seus objetivos financeiros de forma mais eficiente.

Antes de começar a planejar, seja honesto!

Você sabe exatamente como gasta o seu dinheiro?

 

Sabe em que perfil de administrador financeiro você se enquadra?

Pense: “gasto mais do que ganho, gasto tudo o que ganho, sou consumista, adoro ofertas, compro coisas de que não preciso, sou controlado, sou ‘pão duro’, valorizo ter reservas financeiras, controlo meus gastos, nem sei quanto eu ganho exatamente, nem sei quanto eu gasto por mês, não diferencio as despesas por centro de custo, não avalio as contas que pago, controlo todas as despesas, tenho o hábito de dar presentes, sou ‘mão aberta de mais’, sou investidor, sou criterioso com as despesas…” Relacione absolutamente tudo o que tiver ligado ao seu comportamento financeiro.

 

Para realizar um sonho que dependa de dinheiro, você tem exatamente três opções:

  • Poupar
  • Trabalhar mais
  • Comprometer parte do orçamento com seu sonho pagando mais caro por isso

As três formas são eficientes. Claro que as duas primeiras, do ponto de vista estritamente financeiro, são melhores. Mas cada pessoa age de um modo, então a terceira opção é uma forma viável de realizar projetos de médio e longo prazo, ainda que seja mais onerosa.

 

 

Das três opções, qual(is) você daria conta de sustentar a médio prazo (por mais de três anos)?

 

Repensando o orçamento

Dissocie a palavra orçamento da sensação de restrição e pense no que pode alcançar com ele se souber administrá-lo dentro da sua realidade. Não se compare com os outros. Não crie para si necessidades que, de fato, você não tem. Busque respostas sinceras sobre o que é (ou não) necessário na sua rotina quando o assunto for dinheiro. Você (e todo mundo) precisa de um plano mínimo de controle para avaliar despesas e receitas. Saber como você pretende usar o seu dinheiro é fundamental. Vamos dar os primeiros passos:

 

 

 

  1. Mantenha seu orçamento sob controle

Saber gastar e controlar a forma como você utiliza o seu dinheiro são os dois passos mais importantes para garantir sua saúde financeira. Se seu sonho depende de dinheiro, você só poderá realizá-lo se tiver o mínimo de organização. Mantenha seu orçamento sob controle, com sua planilha atualizada. Não esqueça: o ponto de partida é sua receita líquida!

 

  1. Corte gastos desnecessários

Ao fazer uma planilha de despesas, não ser genérico ajuda a perceber como gastamos com coisas irrelevantes. Coloque três critérios para os seus gastos: A – essencial, B- necessário e C – supérfluo. A partir dessa classificação, tome uma atitude consciente de cortar – senão todos – alguns de seus gastos enquadrados em C!

 

 

  1. Regularize débitos

Caso tenha contas em atraso ou perceba que seu orçamento anda bastante apertado, procure agir o quanto antes: estabeleça uma estratégia de quitação e procure cortar gastos, exercer atividade extra ou, pelo menos, reduzir suas despesas, visando aliviar um pouco as contas.

 

  1. Pratique as trocas conscientes

 

Alguma coisa aproveitei do curso de Ciências Econômicas, aprendi que existem bens substitutos. O que se deve avaliar é se a substituição é viável e qual o retorno que ela pode trazer no médio e no longo prazo. Usar o transporte coletivo em detrimento do carro de passeio, levar alimentos preparados em casa a um custo menor em detrimento das refeições adquiridas em estabelecimentos comerciais, optar por marcas mais baratas no supermercado são algumas possibilidades de substituição.

 

  1. Elimine os gastos por impulso

Observe bem a forma como você consome. Pare e pense, antes de comprar algo: “eu preciso mesmo adquirir este produto? Isso me deixará mais perto ou mais distante dos meus objetivos de vida?” Evite andar com cartão de crédito, folhas de cheque ou dinheiro em quantidade superior ao necessário na carteira. São hábitos que regulam as compras por impulso.

 

  1. Use o crédito de forma responsável

O crédito pode ser um grande aliado na realização de sonhos, desde que utilizado com responsabilidade e critério. Os financiamentos de longo prazo devem ser compatíveis com metas de longo prazo, os de médio prazo com metas de médio prazo e os de curto prazo com objetivos de curto prazo. Cuidado para não assumir mais parcelas do que seu orçamento permite!

 

  1. Não ignore o seu planejamento

Planejar facilita a organização do orçamento e permite que você faça os ajustes necessários. Suas metas financeiras estão traçadas? Com planejamento, será mais fácil alcançá-las. Não saia mais que 10% do planejado. Se ocorrer, trabalhe com punições pessoais, ampliando cortes ou exercendo trabalhos extras para complementar a renda.

 

  1. Reveja sua planilha sempre que necessário

Certas despesas mudam com o passar do tempo. Além das mudanças comuns a cada etapa da vida, é importante considerar a sazonalidade de alguns gastos. Por exemplo: planeje coisas mínimas como presente de dia das mães, de dia dos namorados, ovos de páscoa, aniversário dos filhos. Reserve valores maiores para feriados prolongados. Considere redução de receita neste período como em outro, dependendo da sua profissão. Destine um percentual maior para o lazer e educação entre dezembro e janeiro, época de festas, férias e preparação para o próximo ano letivo. Em resumo, seja detalhista na hora de planejar.

 

  1. Lembre-se de que o dinheiro é ferramenta

 

O dinheiro, na maioria das vezes e para a maioria das pessoas, não se caracteriza como objetivo principal de uma vida, mas é essencial para a realização de muitos dos objetivos ambicionados na busca da realização pessoal. Então, dinheiro não é garantia de felicidade, mas pode ser o instrumento que viabilizará a concretização de seus sonhos, por isso você precisa dele. Não ignore isso.

 

  1. Cultive o hábito de poupar

Procure poupar dinheiro todo mês – mesmo que pouco -, estabelecendo objetivos de curto, médio e longo prazo. Para adquirir o hábito de poupar, você tem de praticar. Não espere para guardar o dinheiro que sobrar no fim do mês, porque isso raramente acontece. Procure separar uma quantia para essa finalidade logo que receber o salário. Planejadores financeiros costumam recomendar que se guarde 10% da sua renda líquida, mas cabe a você determinar o percentual que seja viável guardar. Se não conseguir poupar, faça compromissos com parte da renda – um consórcio, um título de capitalização ou algo que o ajude a guardar, pelo menos, um pouco do que você produz. O mais importante é você encontrar uma forma de poupar que funcione para você. Claro que há opções melhores e piores, mas se você não conseguir se ajustar a opções consideradas melhores, use formas alternativas.

 

 

 

 

Deixe seu Comentário

Comentários