/Reforma ortográfica para concurso: confira as principais mudanças!


Reforma ortográfica para concurso: confira as principais mudanças!

508

por: Equipe Flávia Rita

A reforma ortográfica é um assunto que pega muita gente. As novas regras de acentuação gráfica conforme a nova ortografia entraram em vigor em 2009,e o período de adaptação foi até 2012, e tem como objetivo a unificação do idioma nos 8 países em que a língua portuguesa é usado.

Como você está? Já ficou por dentro das principais mudanças ou ainda tem dúvidas sobre a reforma ortográfica? Então, não deixe de ler as próximas linhas. Vamos nessa?

Regras de acentuação conforme a nova ortografia: conheça!

O trema foi abolido da reforma ortográfica. Desta forma, nada de usar agüentar, tranqüilo (..). A exceção permanece apenas em casos de nomes próprios como, por exemplo, Müller.

Os ditongos abertos como “ei” ou “oi” não são mais acentuados em palavras paroxítonas. A forma correta de acordo com a reforma é ideia, assembleia, boleia, entre outras.

Fig.1: ideia não recebe mais acento!

Mas, muita atenção: nos ditongos abertos de palavras oxítonas ou que são monossílabos o acento permanece. Logo, acentua-se herói, anéis, papéis, por exemplo.

De acordo com as regras de acentuação gráfica conforme a nova ortografia os hiatos “ee” e “oo” também não recebem mais acento. Estão corretos enjoo, leem, creem, perdoo, voo por exemplo.

Palavras homográficas, que têm grafia igual, também não são mais acentuadas segundo a reforma ortográfica. Para facilitar, observe os exemplos:

  • Vou para o cursinho (preposição)
  • Ele não para de reclamar (verbo)
  • Vou dirigir pela trilha (contração da preposição + artigo)
  • O pelo do cachorro (substantivo)

Além disso, permanece o acento em “i” ou “u” tônico sozinho na sílaba ou com S. Por exemplo: baú, país, balaústre, entre outros. Lembre-se de que não é acentuado juiz ou raiz.

Também não é acentuado “i” ou “u” antecedido por ditongo, caso a palavra não seja oxítona como ocorre em feiura, bocaiuva.

Anote: Piauí e teiú continuam recebendo acento, porque são palavras oxítonas.

Conseguiu entender melhor a acentuação gráfica conforme a nova ortografia?

Reforma ortográfica: quando usar o hífen?

Já conversamos um pouco sobre a acentuação gráfica conforme a nova ortografia, e agora vamos falar sobre o hífen. Então, vamos lá?

O hífen será empregado se o segundo elemento começar por “h” como, por exemplo, super-herói, anti-herói, super-homem. Ele também será usado para separar vogais ou consoantes iguais como ocorre em micro-ondas, contra-ataque, anti-inflamatório, super-romântico, entra outras.

Não se esqueça de que segundo a reforma ortográfica o hífen também não é mais usado entre palavras que tenham elementos de ligação como, por exemplo, cão de guarda, pé de moleque, cara de pau, entre outras. Porém, se não existir elemento de ligação tem hífen como vaga-lume, porta-malas, corre-corre.

Atenção: o hífen permanece com prefixos recém, além, aquém, sem, pós, ex, vice como, por exemplo, recém –nascido, pós- graduação, pré-vestibular, entre outros.

Entretanto, a regra não se aplica quando as palavras são unidas por meio de um prefixo terminado em vogal e uma outra palavra começa pelas consoantes “r” ou “s”. Nessa situação, é só dobrar o “r” ou o “s”. Ficou complicado? Observe o exemplo: contrarregra, motosserra.

O prefixo super também só recebe hífen quando a palavra que se junta a ele começar com R ou H. Se não atender a essa condição, a palavra é escrita junta. Desta forma está correto superpromoção, super-realista, superaula, entre outras.

Está gostando de aprender mais sobre a acentuação gráfica conforme a nova ortografia? Então não deixe de assistir à aula, para conferir mais dicas:

Como memorizar as novas regras da reforma ortográfica?

Como memorizar acentuação gráfica de acordo com as novas regras? Como não esquecer nenhum detalhe na hora prova? Nesse tópico, preparei algumas dicas de estudo. Vamos lá?

– Leia as regras com atenção e anote da reforma ortográfica. Faça o seu próprio resumo! Pode seguir o texto como referência, mas é essencial que você tenha as suas próprias anotações, esquemas e fichas.

– Revise o que você escreveu. Assim, conseguirá manter o conteúdo na sua memória. Você estudou hoje? Revise amanhã, dois dias depois e, assim, por diante.

– Treine por meio de questões. Faça exercícios sobre a acentuação gráfica conforme a nova ortografia. Uma das melhores estratégias para memorização é a resolução de questão.

Não tem muito segredo: para aprender e reter na memória é questão de treino e muita, mas muita prática. Nos seus resumos não coloque apenas as regras, mas também os exemplos.

Isso também pode lhe interessar:
  5 dicas para você organizar os seus estudos de português e parar de perder tempo!

Muitos alunos conseguem compreender melhor a reforma ortográfica por meio de exemplos ou assimilações. Outra dica é fazer fichas sobre a reforma e carregá-las sempre com você.

Por exemplo, você pode ler as suas fichas enquanto aguarda um atendimento, no ônibus ou outro local que estiver.

Resumindo:

Agora é só você começar a treinar e a estudar para compreender melhor a reforma da língua portuguesa. Que tal conferir na íntegra o Decreto nº 6583, que promulga o acordo ortográfico da língua portuguesa?

 

Confiram algumas questões!

Conforme expliquei no tópico anterior, uma das melhores formas para você aprender e memorizar as novas regras é fazendo muito, mas muito exercício. Lembre-se de que no início é normal você errar, mas o que fará diferença é a sua persistência. Esse é o segredo do sucesso…rs. Não se preocupe que, em breve, você tomará posse e vai colher os frutos de tudo o que está plantando. Quando isso acontecer, quero saber, viu

UFSCAR – Assistente de Administração – 2017

Assinale a alternativa em que a palavra sublinhada está grafada de acordo com o Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

a ) A organização curricular do Bacharelado em Lingüística está pautada por três eixos.

b) A homenagem ao exdiretor foi marcada para o dia 25/11/2017.

c) O encontro tem caráter suprarregional.

d) Esta prateleira destina-se aos livros que os alunos lêem especificamente nos cursos introdutórios.

e) Informamos que a palestra “Presença do taoísmo no Brasil” foi cancelada.

Gabarito: letra C

Banca: CCV – UFC – Órgão: UFC – 2017 –

Todos os vocábulos encontram-se corretamente grafados na alternativa:

a) acessível – hiper-inflação.

b) re-utilização – autoestrada.

c) ascenção – impressindível.

d) infra-estrutura – agronegócio

e) macroeconomia – socioeconômico.

Gabarito: letra E

Banca: NC – UFPR Órgão: Itaipu Binacional

Assinale a alternativa em que as palavras estão corretamente grafadas.

a) autorretrato – micro-organismo – inter-relação – corresponsabilidade – contrassenso.

b) auto-retrato – micro-organismo – inter-relação – co-responsabilidade – contra-senso.

c) auto-retrato – microorganismo – interrelação – co-responsabilidade – contra-senso.

d) autorretrato – micro-organismo – interrelação – corresponsabilidade – contrasenso.

e) autorretrato – microorganismo – interrelação – co-responsabilidade – contra-senso.

Gabarito: letra A

Banca: FGV Órgão: IBGE – 2017

Revisão GRATUITA de regência, crase  e concordância com a professora Flávia Rita. Confira!

Texto 2 – AS DOZE BACTÉRIAS MAIS AMEAÇADORAS

“Pela segunda vez em apenas cinco meses, a Organização Mundial de Saúde (OMS) veio a público para chamar a atenção do mundo a respeito da ameaça causada pelas bactérias super-resistentes à ação dos antibióticos. Na semana passada, a entidade divulgou uma lista com doze famílias de microorganismos considerados de alto risco e contra os quais as opções terapêuticas estão se esgotando.

No documento dirigido aos governos, cientistas e indústrias, a organização enfatiza a necessidade de criação urgente de novos recursos para combater essas bactérias antes que seja tarde demais”.

(Isto É, março de 2017)

No texto 2 há um erro de grafia ou acentuação, segundo as novas regras, que é:

a) microorganismos;

b) super-resistentes;

c) bactérias;

d) antibióticos;

e) indústrias.

Banca: IESES Órgão: GasBrasiliano – 2017

A CULTURA DA EVOLUÇÃO LIVRE

Publicado em Revista Língua Portuguesa, ano 9, n.º 102, abril de 2014. Disponível em: http://www.aldobizzocchi.com.br/divulgacao.asp .Acesso em: 28 mar 2017

Por muitos séculos, um desvio da norma gramatical foi considerado um erro e ponto final. A sociedade dividiase, portanto, entre os que sabiam falar a própria língua e os que não sabiam.

Com o advento da linguística evolutiva, da sociolinguística e sobretudo dos estudos de William Labov sobre variação, o chamado erro gramatical passou a ser visto como um fato natural da linguagem. Remonta, por sinal, aos linguistas histórico-comparativos do século 19 o lema de que o erro de hoje poderá ser a norma gramatical de amanhã.

No entanto, essa visão mais benevolente do desvio levou em alguns casos a uma confusão entre erro e evolução: o desvio pode vir a tornar-se norma, mas não necessariamente se tornará. Como numa reação contra séculos de doutrinação gramatical e estigmatização da fala dos menos instruídos, alguns teóricos passaram equivocadamente a supervalorizar o erro e a relativizar a importância da língua padrão.

Acontece que a dinâmica da evolução linguística é mais complexa do que parece à primeira vista. A língua se apoia numa tensão dialética entre a conservação e a mudança: a todo momento, por força do próprio uso, algo muda na língua, mas a maior parte de seus elementos se conserva. Se nada mudasse, a língua seria estática, a fala ficaria “engessada”, e o sistema rapidamente rumaria para a obsolescência; se tudo mudasse o tempo todo, ninguém mais se entenderia.

Isso também pode lhe interessar:
  Concurso TCE MG: edital publicado. Remuneração até R$ 8 mil!

As forças da conservação e da mudança travam uma queda de braço permanente: toda inovação, seja ela lexical, sintática ou semântica, gera uma nova forma que tem de competir com as já existentes. Essa luta pode se arrastar por décadas ou séculos. Ao final, a forma inovadora pode derrotar as até então estabelecidas, assim como pode acabar derrotada por elas, isto é, abandonada, como é o caso de muitas gírias efêmeras.

[…] a fala popular, assim como as línguas ágrafas e os dialetos, evolui de modo livre; já as chamadas línguas de cultura (dotadas de escrita formal) estão sujeitas à engenharia genética operada por escritores, jornalistas, intelectuais, gramáticos e professores.

[…] Em resumo, o desvio da norma, incluindo o chamado erro gramatical, não é bom nem mau – nem uma evidência da inferioridade intelectual do povo nem um instrumento de luta contra as classes dominantes –, é apenas um fato natural a ser estudado cientificamente.

Aldo Bizzocchi é doutor em Linguística pela USP, pós-doutor pela UERJ, pesquisador do Núcleo de Pesquisa em Etimologia e História da Língua Portuguesa da USP e autor de Léxico e Ideologia na Europa Ocidental (Annablume) e Anatomia da Cultura (Palas Athena).

No texto, a palavra “histórico-comparativos” aparece separada, corretamente, por hífen, pois sempre se emprega o hífen nas palavras compostas por justaposição que não contêm formas de ligação e que sejam de natureza nominal, adjetiva, numeral ou verbal, constituindo unidade semântica, com acento próprio.

Assinale a alternativa em que todas as palavras apareçam grafadas corretamente de acordo com as regras vigentes sobre a aplicação ou não do hífen:

a) Minissaia, porta-retratos, hiper-resistente, ultrarresistente.

b) Subregião, portacopos, ultra-som, microondas.

c)Beija-flor, Ponte Rio-São Paulo, autoorganizado, auto-pista.

d) Antissinais, autoescola, superrápido, sub-aquático.

 

Gabarito: letra A

Banca: CRA – SC 2017 – CRA – SC

A palavra “hiperdispersa” foi corretamente escrita sem hífen. Da mesma forma, “vice-presidente” aparece corretamente grafada, com hífen. Assinale a alternativa em que todas as palavras foram escritas de acordo com as regras ortográficas vigentes para presença/ausência deste sinal.

a) Super-resistente; super-sônico; ultrassom; subregião.

b) Superresistente; supersônico; ultra-som; sub-região.

c) Super-resistente; supersônico; ultrassom; sub-região.

d) Superresistente; superssônico; ultra-som; sub-região.

Gabarito: letra C

Cesgranrio – 2017 – Petrobras

No trecho “Isto é possível através de aerogeradores, geradores elétricos associados ao eixo de cata-ventos, a palavra destacada apresenta hífen porque o primeiro elemento é uma forma verbal.

O grupo em que todas as palavras apresentam hífen pelo mesmo motivo é

a) porta-retrato, quebra-mar, bate-estacas

b) semi-interno, super-revista, conta-gotas

c) guarda-chuva, primeiro-ministro, decreto-lei

d) caça-níqueis, hiper-requintado, auto-observação

e) bem-visto, sem-vergonha, finca-pé

FGV – 2017 – IBGE

Texto 2 – AS DOZE BACTÉRIAS MAIS AMEAÇADORAS“Pela segunda vez em apenas cinco meses, a Organização Mundial de Saúde (OMS) veio a público para chamar a atenção do mundo a respeito da ameaça causada pelas bactérias super-resistentes à ação dos antibióticos. Na semana passada, a entidade divulgou uma lista com doze famílias de microorganismos considerados de alto risco e contra os quais as opções terapêuticas estão se esgotando.No documento dirigido aos governos, cientistas e indústrias, a organização enfatiza a necessidade de criação urgente de novos recursos para combater essas bactérias antes que seja tarde demais”.(Isto É, março de 2017)
No texto 2 há um erro de grafia ou acentuação, segundo as novas regras, que é:

a) microorganismos;

b) super-resistentes;

c) bactérias;

d) antibióticos;

e) indústrias.

Gabarito: letra A

Espero que esse conteúdo ajude você a entender a reforma ortográfica e que a sua aprovação seja conquistada, logo.

Conseguiu compreender como a nova ortografia é cobrada nas provas de concurso público?  O que você faz antes de estudar? Descubra como o poder da conexão pode ajudar na sua aprovação!

Agora me conte: ficou alguma dúvida? É só enviar um comentário e compartilhe essas dicas nas suas redes sociais.

 

Deixe seu Comentário

Comentários