/Redação para concurso: No que o seu corretor vai estar de olho?


Redação para concurso: No que o seu corretor vai estar de olho?

1094

por: Equipe Flávia Rita

Se você estuda para concursos públicos, com certeza já se deparou com a dificuldade de fazer uma redação. Não apenas elaborar um texto, mas, principalmente, escrever um dentro dos padrões normalmente cobrados pelas bancas. Os mais experientes já sabem que uma redação, por meio que seja, somente pontua quando atende aos critérios de correção. E quais desses critérios saltam mais aos olhos dos corretores? Vamos ver exatamente isso agora! Vamos lá?

Redação para concurso – O que vai influenciar sua nota e o que seu corretor vai estar avaliando?

Ao se fazer uma redação de uma determinada banca, o candidato deve estar atento e, sobretudo, familiarizado com os principais critérios de correção utilizados.

Isso significa que ele deverá saber quais quesitos autorizarão o corretor a deduzir mais ou menos pontos de seu texto.

Uma banca pode, por exemplo, dar mais peso ao conteúdo textual, de forma que eventuais erros gramaticais implicarão uma dedução apenas marginal da nota, como se observa nas questões discursivas do Cespe.

Outras examinadoras, por sua vez, podem preferir avaliar o domínio da norma culta e o emprego de recursos coesivos, de forma que irão atribui peso maior a esses pontos, com o se vê na Fundação Carlos Chagas (FCC).

Então, caso você esteja querendo saber quais quesitos são os mais importantes aos olhos dos corretores, ou seja, o que você deve estar mais atento ao escrever uma redação para qualquer banca, continue lendo até o final! Confira essa aula de texto dissertativo para concurso público:

Veja nossa aula no canal do YouTube.

O QUE PERDE PONTO NA REDAÇÃO #1: RESPEITO À NORMA CULTA

Obviamente essa competência deve ter passado pela sua cabeça. Afinal, um texto pode conter um conteúdo criativo e inigualável, mas ele não pontuará tão bem nem será analisado com muita boa vontade se o candidato não respeitar as principais regras da norma culta.

Cada banca avalia esse critério de forma diferente.

No Cespe, há dedução indireta por erros de ortografia e acentuação, morfossintaxe, pontuação e domínio vocabular, os quais integram a fórmula para o cálculo da nota final. Veja nossa aula sobre como fazer uma redação para o Cespe:

Se quiser, veja a aula no nosso canal do YouTube.

Já para a FCC, as provas dissertativas trazem o critério de “expressão”, o qual avalia o “desempenho linguístico” do candidato, de acordo com o nível de conhecimento exigido pela proposta, a adequação da linguagem e o domínio da norma culta. Normalmente, são atribuídos 30 pontos a esse quesito, do total de 100.

A IBFC, banca responsável pelo concurso do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais, por exemplo, separa os quesitos em “correção formal” e “correção de conteúdo”, sendo o primeiro responsável por avaliar os aspectos microestruturais do texto – elementos de coesão, domínio lexical e respeito à norma culta.

Portanto, não deixe de estudar as regras da norma culta, de forma a não prejudicar seu texto e não ensejar dedução da sua nota. Lembre-se sempre de que uma boa redação não se sustenta apenas em seu conteúdo.

O QUE PERDE PONTO NA REDAÇÃO#2: USO DE ARTICULADORES E CONECTORES

Outro ponto bastante avaliado pelas bancas, porém muito ignorado pelos candidatos, mesmo os mais experientes, é o uso de articuladores e conectores.

Mas o que são esses elementos? Em termos de classes gramaticais, articuladores e conectores costumam ser preposições, conjunções ou locuções conjuntivas que servem para o encadeamento lógico das ideias e dos períodos.

Por exemplo: “portanto” é um conector conclusivo, logo, articula semanticamente dois períodos de forma a exprimir conclusão.

Muitos alunos, sem saber, perdem pontos por não utilizarem conectores suficientes no texto, o que finda por prejudicar a coesão textual e o encadeamento das ideias.

Além disso, a repetição de articuladores pode demonstrar falta de domínio dos recursos coesivos, o que irá ensejar penalização na nota.

Então, nada de economizar nos conectores! Também, nada de ficar repetindo sempre o “portanto” ou o “embora”.

O QUE PERDE PONTO NA REDAÇÃO #3: CRIATIVIDADE DOS ARGUMENTOS

Com certeza esse ponto passou pela sua cabeça quando começou a ler esse texto. A argumentação dos candidatos deve ser criativa e ela será examinada exatamente com esse critério.

A descrição da baliza de correção pode variar, mas, no fim, os corretores buscarão pelos argumentos mais inovadores e que, com pertinência temática, abordem o tema de forma particular e com senso crítico elevado.

Imagine a situação do corretor: 1000 textos para corrigir sobre um determinado assunto, cujo tema é delimitado pela proposta. É previsível que a maioria dos candidatos irá repetir os argumentos principais e, com isso, abordar o tema de uma forma pouco inovadora.

Logo, quando um corretor passa por uma redação com argumentos novos, porém pertinentes, ele estará sujeito a avaliá-la de forma mais positiva.

Então, ao escrever seu texto, tenha em mente que a qualidade dos seus argumentos não é pontuada apenas pela correção que apresentam, mas, também, pela criatividade que trazem na análise do tema.


Ficou mais claro como seu corretor irá corrigir sua redação? Entendeu os pontos que deve se atentar para garantir uma boa nota? Então nos avise nos comentários! Não esqueça de deixar sua opinião e nos avisar sobre algum conteúdo que gostaria de ler por aqui!

Conheça mais sobre os perfis de redação por bancas:

 

Deixe seu Comentário

Comentários