fbpx
Em que pese ou em que pesem? Qual a forma correta?

Em que pese ou em que pesem? Qual a forma correta?

Equipe Flávia Rita

Entenda de uma vez por todas como usar a locução "em que pese", suas diferentes formas e os casos em que deve ser flexionada.

Em que pese os argumentos ou em que pesem os argumentos? Qual dessas é a forma correta? Essa é uma das perguntas que mais temos recebido a respeito de conectores. No caso, muitos ficam na dúvida a se a locução deve ou não ser flexionada ou, ainda, se é ou não acompanhada de uma preposição. Vamos entender uma vez por todas como empregar essa conjunção!

 “Em que pese” como conjunção

A locução “em que pese” é classificada, conforme as diferentes classes de palavras, como uma conjunção concessiva.  Por isso, seu sentido equivale àquele das formas “ainda que”, “apesar de”, “não obstante a”, “embora”, “conquanto” etc.

Devido a essa relação concessiva, seu emprego irá introduzir uma oração subordinada.

Em que pese ou em que pesem?

Entendido o sentido de conjunção concessiva, resta ainda a dúvida a respeito da concordância da locução. No caso de seguir a expressão “em que pese” um nome plural, o verbo “pesar” deverá com ele concordar? Por exemplo, quais das formas seriam corretas?

A máquina estatal ainda parece ser ineficiente, em que pese os esforços do governo.

A máquina estatal ainda parece ser ineficiente, em que pesem os esforços do governo.

Não devemos nos paralisar diante do problema no orçamento, em que pese as dificuldades do momento.

Não devemos nos paralisar diante do problema no orçamento, em que pesem as dificuldades do momento.

Tenha em mente que, nas situações acima, ocorre uma mudança na função sintática do complemento do verbo “pese”. Note que, como inexiste preposição o acompanhando, o uso cotidiano da língua findou por converter seu antigo complemento indireto em sujeito.

Ou seja, se, anteriormente, o verbo era seguido de uma preposição, não sendo, por isso, flexionado, hoje, ele deverá, na maioria dos casos, concordar com o seu nome. Assim, estão corretas as frases em que ocorre a flexão verbal:

A máquina estatal ainda parece ser ineficiente, em que pesem os esforços do governo.

Não devemos nos paralisar diante do problema no orçamento, em que pesem as dificuldades do momento.

Cuidado!

Alguns gramáticos ainda condenam esse formato da locução, não admitindo a conversão do objeto verbal em sujeito. Entretanto, como dito, a presente forma decorre de uma evolução nos usos da língua, sendo sobretudo abonada por diversos escritores.

Ademais, merece destaque a lição do processor Domingos Paschoal Cegalla, que, em seu Dicionário de Dificuldades da Língua Portuguesa, explica só ser:

“[…] admissível [a conversão] se o sujeito for nome de coisa. Havendo referência a nome de pessoa, usar-se-á a construção original ‘em que pese a’, como no exemplo […] de Aurélio: ‘O emprego de o que em orações interrogativas é corretíssimo, em que pese a certos gramaticões.’ (Novo dicionário da língua portuguesa, verbete pesar)”.

Quanto à pronúncia, merece destaque o entendimento de alguns gramáticos. Segundo eles, a vogal tônica “e” de “pese(m)” seria, tal como se percebe na palavra “pêsames”. Todavia, isso também não impediu o uso de alterar a pronúncia, aceitando, hoje, a vogal aberta.

“Em que pese” ou “em que pese a”? Qual o correto?

Você percebeu que, ao falarmos da flexão verbal, destacamos a ocorrência da conversão do objeto indireto em sujeito, certo? Isso significa que, na forma original, a locução era acompanhada da preposição “a” formando a conjunção “em que pese a”. Por essa razão, o elemento que seguia a expressão era classificado como complemento verbal indireto.

Veja que, embora ambos os formatos sejam tidos como conectores concessivos, há uma pequena variação de sentido. Desse modo, no caso de se suprimir a preposição, a locução passará a exprimir um significado de relevância, de ter importância ou de ter peso.

Por outro lado, a forma acompanhada da preposição “a” apresentará um sentido de incômodo ou transtorno. Confira os seguintes exemplos:

Em que pese aos adeptos do agronegócio irresponsável, faremos tudo para preservar a natureza.

Em que pese aos inimigos do paraense, sinceramente confesso que o admiro.” (Graciliano Ramos, Linhas tortas, p. 48)

Não concordo com a teoria do cientista, em que pese à consistente metodologia utilizada.

“E ficou estabelecido que no dia da soltura haverá chope, em que pese à Mariana e aos médicos.” (Ciro dos Anjos, O amanuense Belmiro, p. 135)

Em que pese aos seus oito batalhões, magnificamente armados, a luta era desigual.” (Euclides da Cunha, Os sertões, p. 366)

“Parece que todos os cachorrinhos são iguais, em que pese à vaidade ou à ternura cega dos donos.” (Carlos Drummond de Andrade, Obra completa, p. 456)

Treinando!

Separamos uma questão da FUMARC para você poder treinar o uso da conjunção “em que pese”. Além de poder colocar em prática o que você aprendeu, você também verá como as bancas cobram questões de conectores.

(FUMARC, Assembleia Legislativa de Minas Gerais Provas. 2014). INSTRUÇÃO: A questão refere-se ao trecho a seguir, transcrição de parte do verbete “pesar”, tal como consta no dicionário Houaiss. Leia-o antes de responder a elas.

 pesar v.(sXIII)[…]  p. de menos us. que apesar de • apesar dos p. apesar do que possa ou se possa ter contra; apesar de tudo <o Rio, apesar dos p., continua uma bela cidade> • em que pese (a) ainda que (tal coisa) pese, custe, doa, incomode (a alguém) <em que pese aos governistas, votaremos contra> malgrado, apesar de, não obstante <em que pesem as suas contradições, a melhor tese ainda é a dele >  ver gram a seguir  GRAM na locução em que pese a, a flexão pese permanece invariável, quando se tratar de pessoa (em que pese aos governistas, votaremos contra), e concorda com o sujeito, quando se tratar de coisa (em que pesem as suas contradições, a melhor tese ainda é a dele) […].

Assinale a alternativa em que o acento grave tenha sido empregado em consonância com os usos descritos no trecho acima.

A) Em que pese à predominância dessas mulheres nesses cursos, sua posição no mercado de trabalho ainda deixa a desejar quando comparada à dos homens.

B) Em que pesem às severas críticas que se fazem à escola, ainda não se encontrou um instrumento alternativo para ajustar as massas ao mundo globalizado.

C) Em que pese às muitas famílias com crianças em idade escolar fora da escola, não se podem ocultar determinados avanços no campo da educação fundamental.

D) A escola surgiu para assumir a instrução e, em que pese à suas deficiências, não há indícios de que esteja prestes a caducar como mecanismo indispensável à organização da sociedade urbano-industrial.

Comentando a questão!

Gabarito: Letra C.

Comentário: A questão exige uma análise da locução segundo seus diferentes sentidos. Lembre-se de que a supressão da preposição “a” implicará uma pequena variação no significado, o qual expressará noção de importância ou relevância.

Com isso em mente, deve-se considerar incorreta a letra A, uma vez que a conjunção “em que pese” foi empregada no sentido de ser importante, sendo proibido o uso da crase em razão da ausência da preposição “a”.

A letra B também se mostra errada, dado ter sido empregada a locução “em que pese” também com sentido de ser importante. Além disso, é impossível a flexão verbal e o uso da crase na mesma frase, já que a subjetivação do complemento verbal suprime a preposição.

A letra C está correta, pois a locução foi utilizada com sentido de “incômodo”, sendo equivalente à frase “Ainda que isso (muitas famílias com crianças em idade escolar fora da escola) cause incômodo, não se podem ocultar determinados avanços no campo da educação fundamental”. Portanto, a letra C é o gabarito da questão.

A letra D, por fim, incorre erro ao empregar “a” singular craseado seguido de pronome possessivo feminino plural.

Alguma dúvida?

O qua achou? Simples, não é mesmo? Se ainda ficou alguma dúvida depois dessa explicação, você pode nos contar nos comentários! Além disso, caso você queira ver mais conteúdo de português sobre regência verbal, redação (introdução desenvolvimento) ou pontuação, confira nossos outros textos!

Precisa aprender português corporativo?

Então você estava escrevendo um texto e ficou em dúvida quanto a regência de uma palavra? Ou quando ao uso da vírgula? Bom, se você está começando uma carreira corporativa, com certeza já percebeu que o domínio da Lingua Portuguesa pode ser um diferencial no seu dia a dia, certo? Portanto, não atrase mais sua qualificação e seu futuro na empresa!

A professora Flávia Rita Coutinho Sarmento, referência na disciplina de Língua Portuguesa, oferece um curso específico de português para o ambiente corporativo. Ministrado na forma on-line, você poderá estudar de acordo com o seu tempo e com a sua disponibilidade.

Quer conhecer mais? Então confira uma de nossas aulas agora mesmo e conheça nossa metodologia!

Você pode assistir também diretamente do nosso canal do YouTube clicando AQUI.

O curso on-line português corporativo/empresarial tem foco nas questões práticas da Língua, conforme as dúvidas que surgem no dia a dia, de forma que você irá obter resultados rápidos e perceptíveis em pouco tempo. Assim, não há dúvida de que um bom domínio do português será um diferencial em sua carreira e em sua melhor colocação no mercado de trabalho. Aproveite a oportunidade para incrementar o seu currículo e aprender português sem dificuldade. No curso, você terá acesso a um conteúdo teórico e a uma parte prática, além de ter material de apoio em PDF. O objetivo é que você treine exatamente aquilo que precisará para o seu trabalho.

Clique aqui para conhecer o curso on-line português corporativo/empresarial.

Sobre o assunto português corporativo, não deixe de conferir:

Assim, caso ainda tenha interesse em outros cursos de Língua Portuguesa, não deixe de entrar em contato conosco pelos telefones

Se você ainda tem algum assunto que gostaria de ler por aqui, deixe sua sugestão na seção de comentários.

Deixe seu Comentário

Comentários

CONTINUE LENDO